Entenda como criar seu próprio infoproduto

Checklist: como começar a vender Infoprodutos e se destacar no mercado online

Os infoprodutos nada mais são do que materiais desenvolvidos com o objetivo de trazer conteúdo relevante para determinada audiência. Em diferentes formatos, é possível distribuí-los mediante pagamento ou não, sendo que, já algum tempo, esse tipo de material ganhou bastante popularidade em plataformas digitais de negócios.

Isso se deve, em grande parte, à dinâmica de criação e logística de distribuição desses produtos. Diferentemente de um artigo da indústria, de vestuário ou do setor alimentício, o desenvolvimento de um infoproduto não demanda grandes investimentos em pesquisas de mercado, adequações a regulamentações legais, entre outros fatores.

A maioria das empresas e desenvolvedores por trás dos infoprodutos utilizam-se de um conhecimento que já detém e o disponibilizam em forma de eBooks, cursos online, podcasts, webinars, entre muitas outras possibilidades de formatos. Esse é um trabalho consideravelmente menos dispendioso, sobretudo se pensarmos na logística de comercialização desses produtos, feita de forma 100% online – não há nenhuma preocupação com gerenciamento de estoque ou entregas, por exemplo.

Para quem ficou interessado em saber mais sobre os infoprodutos, preparamos neste artigo um checklist para que você entenda como também desenvolver e vender online um produto nesse formato. Continue a leitura e saiba mais.

Principais tipos de infoprodutos

Antes de falarmos sobre o nosso checklist, vejamos quais são os principais tipos de infoprodutos. Alguns dos exemplos apresentados podem servir de inspiração para você desenvolver o seu próprio produto.

eBooks

eBooks são um dos principais tipos de infoprodutos

Os eBooks são infoprodutos bastante populares e, possivelmente, você já teve contato com esse tipo de material. Normalmente, esses livros digitais abordam tópicos de interesse de determinado público, com informações organizadas de forma inteiramente funcional para que a persona consiga dar encaminhamento para problemas cotidianos ou aprenda uma nova habilidade.

O trabalho para desenvolver esse material consiste na criação do texto do conteúdo, na diagramação e, também, no design do eBook. Afinal de contas, a apresentação e a formatação do produto são aspectos muito importantes.

Whitepapers

Para quem deseja desenvolver conteúdo relevante para a sua audiência, abordando tópicos que sejam de seu interesse, os whitepapers também são uma boa opção. A diferença é que esse infoproduto não demanda o mesmo trabalho gráfico do eBook, tomando a forma de um artigo em PDF.

Além disso, temos no whitepaper um conteúdo mais técnico, como uma exploração aprofundada dos tópicos abordados – algo similar a um texto acadêmico.

Para quem não deseja investir tempo e recursos em uma melhor apresentação visual para o conteúdo e trabalhar a partir de uma abordagem mais leve, o whitepaper é uma alternativa interessante de infoproduto.

Podcasts

Os podcasts vêm se popularizando ao longo dos últimos anos. Com uma abordagem similar ao de programas de rádio, trazendo entrevistas, histórias narradas em áudio e debates entre convidados, conteúdos nesse formato foram transformados em infoprodutos.

O grande diferencial do conteúdo em áudio é sua funcionalidade. Isso porque ele pode ser “consumido” enquanto as pessoas estão no trânsito, fazendo uma atividade física ou, até mesmo, trabalhando. Para quem também não é amante da leitura, os podcasts têm sido uma opção preferencial para acompanhar conteúdos de seu interesse.

Videocasts

O videocast pode oferecer o mesmo tipo de conteúdo dos podcasts, como entrevistas, mesas de debate e discussões com especialistas sobre determinado tema. Inclusive, muitos podcasts são gravados e também distribuídos em vídeo.

Obviamente, esse formato também compreende produções mais elaboradas, com tomadas externas e gravações com diferentes cenas. Tudo depende da expertise dos produtores e disponibilidade para investir.

Webinars

Webinars são eventos digitais, quase sempre transmitidos ao vivo, que trazem palestras, seminários, rodas de conversa e workshops para determinado público, mas sem a preocupação de organizar uma infraestrutura vultuosa, com cenários, estruturas de palco e afins.

E, quando há a interação em tempo real entre o apresentador e a audiência, possibilitando o esclarecimento de dúvidas e a troca de informação, ganha-se muito em engajamento. Com a participação de um profissional de referência em determinado assunto, por exemplo, o público, em geral, enxerga aquele evento como uma oportunidade única de estabelecer trocas com alguém relevante.

Conteúdo exclusivo para assinantes

O conteúdo disponível exclusivamente para assinantes é mais um tipo de infoproduto.

Essa é, inclusive, uma forma de realizar a conversão e segmentação de seu público, identificando os que enxergam valor em materiais gratuitos e aqueles que estão dispostos a pagar para acessar conteúdos diferenciados.

Cursos online

O curso online é um dos formatos de infoprodutos mais populares que existem. Negócios de diferentes segmentos vêm desenvolvendo cursos corporativos, tutoriais ensinando a operar alguma ferramenta ou a utilizar algum de seus produtos. Possibilidades não faltam para você também criar o seu.

Checklist para você criar e vender seu infoproduto

Agora que você já conhece os principais tipos de infoprodutos, vejamos o checklist que preparamos para você também desenvolver o seu.

1. Selecione tópicos relevantes de conteúdo

Como você pôde acompanhar em nosso breve resumo sobre os principais tipos de infoprodutos, é fundamental abordar tópicos que sejam de interesse de seu público.

Pensando nisso, faça levantamentos e estude quais são as necessidades de sua audiência para criar temas relevantes.

2. Escolha o formato adequado

Identificados quais tópicos de conteúdo serão explorados, é hora de saber em qual formato produzir seu infoproduto. Nessa escolha, é importante compatibilizar o tipo de informação a ser transmitida ao tipo de infoproduto.

Alguns conteúdos podem ser muito bem explorados em formato de texto, outros seriam melhor abordados em vídeo, áudio ou tutoriais. Um passo a passo para operar uma máquina de precisão, por exemplo, terá uma aceitação muito maior se for feito no formato de vídeo e não de texto, uma vez que a mensagem adquire um ganho em termos de compreensão quando apresenta, de forma visual, como tudo deve ser feito na prática.

3. Saiba onde e como vender seu infoproduto

Existem dezenas de plataformas onde você pode hospedar seus infoprodutos

Com o conteúdo pronto, é hora de vender e distribuir seu infoproduto. Existem dezenas de plataformas em que você pode hospedar seu produto e operacionalizar o pagamento. Em seu próprio site, naturalmente, você pode também ofertá-lo, mas as plataformas contam com inúmeras vantagens.

Temos, por exemplo, programas de afiliados, em que você concede certa margem das vendas para parceiros que divulgarão seus infoprodutos. Vale, também, utilizar de suas redes sociais e estratégias de e-mail marketing na divulgação dos conteúdos.

4. Monitore a performance das vendas

O acompanhamento das vendas funciona como um termômetro para medir o sucesso de seu infoproduto. Para isso, acompanhe o desempenho de cada canal onde o produto está disponibilizado e verifique de que forma sua estratégia de divulgação pode ser melhorada.

5. Atualize seu conteúdo para que ele continue relevante

Na era da informação, a maioria dos conteúdos produzidos para serem comercializados como infoprodutos precisam ser constantemente atualizados, sob o risco de perderem sua relevância com o passar do tempo. Por isso, tenha o cuidado de monitorar a validade dos materiais produzidos.

Curtiu o checklist para a produção de infoprodutos que preparamos? Aproveite e confira mais este conteúdo: “7 atitudes que vão aumentar a presença digital de sua empresa.”