Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing são a mesma coisa?

Natália Araujo
Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing são a mesma coisa?
Imagem: Pixabay

Você também se pergunta se Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing são a mesma coisa? Fique tranquilo, essa dúvida é normal. O Marketing Digital é uma área relativamente nova, e esses desdobramentos, mais ainda. Então esse tipo de dúvida e debate não só é comum, como também relevante.

Nós já explicamos brevemente sobre os diversos tipos de marketing, e mais especificamente até do Inbound, que é o foco da MaKeiT, mas está na hora de esclarecermos algumas coisas. Como já te dissemos, na verdade, o Marketing é uma coisa só. E ele se traduz na geração de valor para o cliente e todas as partes envolvidas. Os nomes que compõem esses tipos de Marketing descrevem estratégias, conhecimentos, ações e táticas que se desmembram ou correlacionam umas com as outras.

Assim acontece com o Marketing de Conteúdo e o Inbound Marketing. O Marketing de Conteúdo é, na verdade, um pilar fundamental do Inbound Marketing, que não existe sem ele. Vamos às explicações mais detalhadas.

O que é Inbound Marketing

Mensalmente, mais de 100 bilhões de pesquisas são feitas no Google, e esse número só aumenta. Essas pesquisas partem de problemas, dúvidas e questionamentos das pessoas nos mais variados assuntos, que buscam pelas respostas na internet, em sites de busca, como o Google, Bing e Yahoo Search. Por exemplo, digitam na barra de busca do Google: “o que é a metodologia enxuta?“, “o básico sobre escalada” ou “o que muda na minha empresa em 2018?“.

No contexto de hoje, em que as pessoas não têm tempo e estão cada vez mais abarrotadas de conteúdo, elas “abominam” serem interrompidas ou forçadas a consumir aquilo que não têm interesse ou vontade. É aí que entra o Inbound Marketing.

O Inbound Marketing dispensa as técnicas ortodoxas de Marketing, quando a empresa vai até o cliente. Como o próprio nome diz, Inbound Marketing é o Marketing de Atração. E ele se baseia em estratégias e ações para que uma empresa se faça disponível e seja encontrada quando seu potencial cliente precisar resolver um problema que está dentro de sua área de atuação.

O Inbound Marketing respeita o momento do processo de compra do cliente, trabalhando-o de acordo com seu estágio em um funil de vendas. O objetivo não é fazer uma venda ativa e intrusiva, e sim estar disponível para o cliente quando ele precisar. Para que isso aconteça, o Inbound Marketing apresenta quatro etapas:

Atrair os visitantes

Através das redes sociais, blogposts, SEO – para otimizar os resultados nos mecanismos de busca, Adwords e Facebook Ads (sim, mídia paga também pode fazer parte do Inbound Marketing), a empresa se faz efetivamente disponível. Dessa forma os visitantes são direcionados até o site da empresa, por exemplo.

Converter em leads

Lead é o primeiro importante estágio de um potencial cliente no funil de vendas. Depois de visitar o site ou rede social da empresa, o consumidor fornece seus dados em troca de algum “conteúdo rico”, através de uma Landing Page. Geralmente, o conteúdo rico é um e-book, um infográfico, um estudo de caso, vídeo, entre diversos outros formatos. A partir daí, o visitante foi convertido em lead. Agora é preciso “nutri-lo”.

Relacionar com as oportunidades

Uma vez convertido, é importante nutrir esse lead. Nutrir o lead significa iniciar um relacionamento com ele, educando-o e deixando-o cada vez mais conhecedor do assunto em que demonstrou interesse. A nutrição de leads é excelente tanto para o lead, que está adquirindo informação e conhecimento sobre o assunto que o interessa, quanto para a empresa, que está tornando o lead cada vez mais apto a consumir seus produtos/serviços. De acordo com o interesse que o lead manifestou, envia-se conteúdo relevante para a solução do seu problema. Esse fluxo pode ser automatizado. Um bom exemplo dessa etapa é uma newsletter ou um e-mail marketing.

Analisar os resultados

Uma das vantagens do Marketing Digital e do Inbound Marketing é a facilidade proporcionada pelo ambiente digital na mensuração dos resultados das ações aplicadas. As ferramentas de web analytics, tais como a RD Station, permitem mensurar precisamente diversos fatores envolvidos nos processos de compra. É nessa etapa que se otimiza tudo aquilo que deu certo, ou se corrige as ações que precisam de melhorias no processo de vendas.

Vale ressaltar ainda que, entre a 3ª e 4ª etapas do Inbound Marketing, acontece a venda. Afinal, o objetivo de se investir em marketing é atrair potenciais clientes para aumentar as vendas/faturamento/receita. Certo? Utilizando o Inbound Marketing, a etapa de vendas é muito facilitada, já que o potencial cliente já foi “nutrido” e se tornou uma verdadeira oportunidade, reduzindo consideravelmente o esforço da equipe de vendas.

Marketing de Conteúdo

Agora vamos falar de Marketing de Conteúdo. Você acha que ele surgiu na era digital?

Se você respondeu que sim, engano seu! Uma das referências mais antigas que se tem de Marketing de Conteúdo foi quando, em 1895, a John Deere criou a revista The Furrow. Era uma revista sobre agricultura, e hoje a John Deere é uma das maiores marcas de equipamentos agrícolas do mundo. Perceba como aí havia uma grande oportunidade de educar o cliente a respeito do que eram os seus problemas e como resolvê-los, tudo isso no setor de agricultura.

Entretanto, muitas empresas acreditam que guardando para si o que sabem é uma forma de se proteger da concorrência. Ou, ainda, acreditam que entregar o know how da sua empresa “de bandeja” para o potencial cliente fará com que ele não necessite mais comprar os produtos/serviços da empresa.

Sabia que esse um dos maiores mitos do Marketing de Conteúdo? O que acontece é justamente o contrário: criar conteúdo é uma ferramenta para estabelecer autoridade com o público da sua empresa. Pois isso demonstra que ela entende do que faz e, ainda, que sabe resolver os problemas dos seus potenciais clientes.

Ah! Importante: Marketing de Conteúdo é diferente de Assessoria de Imprensa. Se esta, por sua vez, é responsável por falar da empresa, o outro é responsável por solucionar problemas do cliente, informá-lo e entretê-lo.

Em diversas etapas do Inbound Marketing, o Marketing de Conteúdo está presente como um de seus pilares. Pois os objetivos do Marketing de Conteúdo são:

  • Educar o cliente;
  • Estabelecer autoridade com seu público;
  • Criar a oportunidade de interação
  • Conquistar a confiança e etc.

O Marketing de Conteúdo é representado por todo tipo de conteúdo, claro, relevante, que resolva algum problema dos seus clientes. Posts nas redes sociais, e-mails marketing, e-books, infográficos, estudos de caso, newsletters e etc.

Conclusão

O Marketing de Conteúdo e o Inbound Marketing não são a mesma coisa. O primeiro é um dos pilares do último, e eles dependem um do outro. Uma boa estratégia de Inbound Marketing depende, essencialmente, de boas ações de Marketing de Conteúdo para atrair o público-alvo.

De forma resumida, o Marketing de Conteúdo tem o objetivo de atrair o cliente no meio digital, e o Inbound Marketing é responsável por transformar esse visitante em um cliente da empresa. Tenha isso em mente, e use os dois para resolver problemas dos seus clientes que os resultados virão. 😉


Confira meu último post “3 mitos sobre redes sociais que sua empresa deve evitar” aqui.

Tags:, , ,